Sejam Bem Vindos! よろしくお願いします!

Olá pessoal, sejam bem vindos à esta página. Criei este blog para poder compartilhar com vocês algumas informações sobre a língua japonesa, além das minhas impressões acerca desse idioma, suas particularidades, as dificuldades enfrentadas pelos falantes de português do Brasil ao estudar o idioma japonês, e claro, alguns pontos comparativos com o português que considero muito interesssantes.

Sejam Bem Vindos!     よろしくお願いします!       リマ・マレイ marley de lima

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Sobre a língua japonesa - Parte 9: Som oclusivo

Postagem original em 30 de dezembro de 2010

Sokuon (som oclusivo)
Na língua japonesa ocorre o 促音(sokuon)[1], que é representado na escrita pelo 18º caractere do silabário hiragana (tsu), em tamanho menor ao usual. A representação do sokuon na escrita romanizada se dá fazendo a repetição da consoante seguinte ao (tsu), como pode-se observar nos exemplos: (kitte)[2] ざ (zasshi)[3]. Assim como o yōon (som contraído), deve-se respeitar o tamanho do caractere (tsu) para a representação do sokuon (som oclusivo), evitando assim gerar desentendimento de significado.

Obs.: Este texto é parte integrante do artigo publicado no livro comemorativo dos 100 da Imigração Japonesa - ANBG.
 LIMA, Marley Francisca de . Watashi no me kara mita nihongo: algumas observações sobre a língua japonesa como LE. In: Associação Nipo Brasileira de Goiás; SAITO, Cecília Noriko Ito; MOTA, Fátima Alcídia Costa. (Org.).  地球を半回り・ゴイアスの日本人- Meia volta ao mundo: imigração japonesa em Goiás. 1 ed. Goiânia: Gráfica e Editora Bandeirante Ltda, 2008, v. , p. 215-225.




[1] Som oclusivo( descrição apresentada no Dicionário Universal de COELHO e HIDA, 1998)
[2] Selo (postal).
[3] Revista.

Sobre a língua japonesa - Parte 8: Sons alongados (vogal)

Postagem original em 30 de dezembro de 2010 (revisado)

Chōon (som da vogal alongado)
Na língua japonesa, existem palavras com som da vogal alongado (長音  chōon)[1], como emじいさん (ojīsan), ばあさん (obāsan) e ゆう (yūki), que podem ser confundidas com outras palavras caso o alongamento não seja pronunciado. Como exemplo, temos: おじいさん (ojīsan) que significa avô, enquantoおじさん(ojisan) significa tio; おばあさん (obāsan) para avó e おばさん(obasan) para tia, entre outras palavras como ゆうき (yūki), que significa coragem e ゆき(yuki) neve. Na escrita romana o alongamento da vogal normalmente é representado por um traço acima da vogal alongada.

Obs.: Este texto é parte integrante do artigo publicado no livro comemorativo dos 100 da Imigração Japonesa - ANBG.
 LIMA, Marley Francisca de . Watashi no me kara mita nihongo: algumas observações sobre a língua japonesa como LE. In: Associação Nipo Brasileira de Goiás; SAITO, Cecília Noriko Ito; MOTA, Fátima Alcídia Costa. (Org.).  地球を半回り・ゴイアスの日本人- Meia volta ao mundo: imigração japonesa em Goiás. 1 ed. Goiânia: Gráfica e Editora Bandeirante Ltda, 2008, v. , p. 215-225.


Sobre a língua japonesa - Parte 7: Alguns hiragana com dois 'sons' diferentes

Postagem original em 30 de dezembro de 2010.  

Alguns caracteres do hiragana sofrem mudança quanto ao som quando utilizados como partícula. É o caso dos caracteres , representados na escrita romana respectivamente como “ha” e “he”, como nas palavras  = hashi (pauzinhos para comer) e いわ=heiwa (paz). No entanto, ao serem utilizados como partículas passam a ser representados na escrita romanizada como “wa” e “e”, como pode ser observado no exemplo que se segue:
Ex. 1:
 わたし とうきょう いきます。= Watashi wa Tokyo ikimasu.[1]

Obs.: Este texto é parte integrante do artigo publicado no livro comemorativo dos 100 da Imigração Japonesa - ANBG.
 LIMA, Marley Francisca de . Watashi no me kara mita nihongo: algumas observações sobre a língua japonesa como LE. In: Associação Nipo Brasileira de Goiás; SAITO, Cecília Noriko Ito; MOTA, Fátima Alcídia Costa. (Org.).  地球を半回り・ゴイアスの日本人- Meia volta ao mundo: imigração japonesa em Goiás. 1 ed. Goiânia: Gráfica e Editora Bandeirante Ltda, 2008, v. , p. 215-225.

terça-feira, 7 de junho de 2016

Sobre a língua japonesa - Parte 6: A importância na uniformidade da escrita


Postagem original em 30/12/2010

Uniformidade na escrita
A escrita dos caracteres hiragana e katakana deve ser de tamanho uniforme, uma vez que algumas sílabas são representadas por um caractere de tamanho normal acrescido de outro de tamanho menor denominado 拗音(ようおん = yōon)[1]. Como exemplo temos: とうきょ(Tōkyō), びょういん(byōin), きょねん(kyonen), ひゃ(hyaku), しゃしん(shashin) e ちゃ (ocha)[2]. Essa diferenciação no tamanho do caractere para a formação do yōon, caso não seja respeitada, poderá inclusive produzir outro significado para a palavra, como pode ser observado comparando as palavras apresentadas em a) palavras com todos os caracteres de tamanho uniforme e b) palavras nas quais ocorrem  yōon [3]:
a)
b)
ひや =  hiyaku (saltar)
ひゃ =  hyaku (cem)
じゆ =  jiyū (liberdade)
じゅ =   (dez)
びよういん  =  biyōin (salão de beleza)
びょういん =   byōin (hospital)

Obs.: Este texto é parte integrante do artigo publicado no livro comemorativo dos 100 da Imigração Japonesa - ANBG.
 LIMA, Marley Francisca de . Watashi no me kara mita nihongo: algumas observações sobre a língua japonesa como LE. In: Associação Nipo Brasileira de Goiás; SAITO, Cecília Noriko Ito; MOTA, Fátima Alcídia Costa. (Org.).  地球を半回り・ゴイアスの日本人- Meia volta ao mundo: imigração japonesa em Goiás. 1 ed. Goiânia: Gráfica e Editora Bandeirante Ltda, 2008, v. , p. 215-225.




[1]  Som contraído
[2] Tōkyō (nome da capital do Japão), byōin( hospital), kyonen( ano passado),  hyaku (cem), shashin (fotograifa) e ocha (chá).
[3] Os exemplos descritos em a) e b) foram extraídos do livro Minna no Nihongo 1: Tradução e notas gramaticais.

Sobre a língua japonesa - Parte 5: Uso do hiragana

Postagem original em 30/12/2010

Okurigana / furigana
O hiragana é utilizado para escrever tanto as palavras que não possui representação em kanji (ideograma), como também serve para representar a desinência da palavra cujo radical é representado por um kanji, como em みます(よみます = yomimasu)[1]. Nesse caso, o hiragana recebe o nome de 送り仮名(おくりがな = okurigana). Outra utilização do hiragana ocorre para indicar a leitura do ideograma, como em 日本語(にほんご) e recebe o nome de 振り仮名(ふりがな = furigana. O okurigana  normalmente aparece acima do ideograma, para escritas na horizontal (横書き = yokogaki), e ao lado do ideograma para escritas na vertical (縦書き = tate gaki).


Obs.: Este texto é parte integrante do artigo publicado no livro comemorativo dos 100 da Imigração Japonesa - ANBG.
 LIMA, Marley Francisca de . Watashi no me kara mita nihongo: algumas observações sobre a língua japonesa como LE. In: Associação Nipo Brasileira de Goiás; SAITO, Cecília Noriko Ito; MOTA, Fátima Alcídia Costa. (Org.).  地球を半回り・ゴイアスの日本人- Meia volta ao mundo: imigração japonesa em Goiás. 1 ed. Goiânia: Gráfica e Editora Bandeirante Ltda, 2008, v. , p. 215-225.




[1] Ler.

Sobre a língua japonesa - Parte 4: Hiragana/katakana

Postagem original em 30/12/2010

Hiragana e katakana
O hiragana é utilizado para escrever palavras de origem japonesas, enquanto o katakana é principalmente utilizado para escrever palavras de origem estrangeiras. Tanto o hiragana quanto o katakana são silábicos e representam o som. Ambos possuem 46 caracteres básicos conhecido como 五十音図(ごじゅうおんず= gojūonzu), complementados por outros 58 caracteres, divididos em 濁音(だくおん = dakuon)[1]半濁音(はんだくおん = handakuon)[2] e 拗音(ようおん = yōon)[3].

Obs.: Este texto é parte integrante do artigo publicado no livro comemorativo dos 100 da Imigração Japonesa - ANBG.
 LIMA, Marley Francisca de . Watashi no me kara mita nihongo: algumas observações sobre a língua japonesa como LE. In: Associação Nipo Brasileira de Goiás; SAITO, Cecília Noriko Ito; MOTA, Fátima Alcídia Costa. (Org.).  地球を半回り・ゴイアスの日本人- Meia volta ao mundo: imigração japonesa em Goiás. 1 ed. Goiânia: Gráfica e Editora Bandeirante Ltda, 2008, v. , p. 215-225.






[1] Consoante sibilada.
[2] O som pa, pi, pu, pe, po, pya, pyu, pyo.
[3] Som contraído.

segunda-feira, 6 de junho de 2016

A língua japonesa - Parte 3: kanji (ideograma)

Postagem original em 29/12/2010

Kanji
O kanji, ou ideograma, como é conhecido em português, foi adotado pelos japoneses após ter sido levado ao Japão por monges budistas por volta de 500 d. C., não existindo até este período escrita própria na língua japonesa. Serve para reproduzir substantivos, verbos, adjetivos e nomes nativos. Foram adotados oficialmente cerca de quase 2000 ideogramas na escrita japonesa (STÖRIG, 2003).


Referência Bibliográfica:
STÖRIG, Hans Joachim. A aventura das línguas: uma história dos idiomas do mundo. 4. ed. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2003.

Obs.: Este texto é parte integrante do artigo publicado no livro comemorativo dos 100 da Imigração Japonesa - ANBG.

 LIMA, Marley Francisca de . Watashi no me kara mita nihongo: algumas observações sobre a língua japonesa como LE. In: Associação Nipo Brasileira de Goiás; SAITO, Cecília Noriko Ito; MOTA, Fátima Alcídia Costa. (Org.).  地球を半回り・ゴイアスの日本人- Meia volta ao mundo: imigração japonesa em Goiás. 1 ed. Goiânia: Gráfica e Editora Bandeirante Ltda, 2008, v. , p. 215-225.




Sobre a língua japonesa - Parte 2 : A escrita japonesa

Postagem original em 29/12/2010

A escrita
Na língua japonesa existem três tipos de escrita (hiragana, katakana e kanji). Além dessas três, existe a transliteração para os caracteres romanos, chamado de ローマ字(rōmaji). Vejamos um exemplo da palavra “idioma japonês” escrito nas 4 formas:
Quadro 2: Modelos das 3 escritas japonesas e a escrita romana.
Kanji
Hiragana
katakana
Romaji
日本語
にほんご
ニホンゴ
nihongo

Obs.: Este texto é parte integrante do artigo publicado no livro comemorativo dos 100 da Imigração Japonesa - ANBG.
 LIMA, Marley Francisca de . Watashi no me kara mita nihongo: algumas observações sobre a língua japonesa como LE. In: Associação Nipo Brasileira de Goiás; SAITO, Cecília Noriko Ito; MOTA, Fátima Alcídia Costa. (Org.).  地球を半回り・ゴイアスの日本人- Meia volta ao mundo: imigração japonesa em Goiás. 1 ed. Goiânia: Gráfica e Editora Bandeirante Ltda, 2008, v. , p. 215-225.

Sobre a língua japonesa - Parte 1 (Postagem original em 29/12/2010)

Segundo Störig (2003), o japonês é uma das línguas mais importantes da atualidade, devido à posição mundial ocupada pelo Japão e também pelo grande número de falantes. Não pertence à nenhuma das grandes famílias lingüísticas  e também não é aparentado do chinês. É uma língua predominantemente aglutinante. Störig (2003) afirma ainda que a dificuldade atribuída ao idioma japonês no ocidente se deve mais ao sistema de escrita do que às características da língua.
No Brasil, desde a chegada dos imigrantes até o início dos anos de 1980, a língua japonesa era estudada no meio dos imigrantes e seus descendentes como língua materna (国語=kokugo)  No entanto, por volta do ano de 1980 passou a ser ensinada como LE (MORIWAKE,1998, apud DOI, 2006), ou seja, como  língua estrangeira (日本語=nihongo)[2].

Referências Bibliográficas:
DOI, Elza Taeko. O ensino de japonês no Brasil como língua de imigração. Estudos sociolingüísticos XXXV, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, p. 66-75, 2006. Disponível em: < http://www.gel.org.br/4publica-estudos-2006/sistema06/etd.pdf >. Acesso em: 11 de setembro de 2006.
STÖRIG, Hans Joachim. A aventura das línguas: uma história dos idiomas do mundo. 4. ed. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2003. 

Obs.: Este texto é parte integrante do artigo publicado no livro comemorativo dos 100 da Imigração Japonesa - ANBG.
 LIMA, Marley Francisca de . Watashi no me kara mita nihongo: algumas observações sobre a língua japonesa como LE. In: Associação Nipo Brasileira de Goiás; SAITO, Cecília Noriko Ito; MOTA, Fátima Alcídia Costa. (Org.).  地球を半回り・ゴイアスの日本人- Meia volta ao mundo: imigração japonesa em Goiás. 1 ed. Goiânia: Gráfica e Editora Bandeirante Ltda, 2008, v. , p. 215-225.



[2] É interessante observar a diferença entre estas duas nomenclaturas a partir do próprio ideograma. Para a língua japonesa enquanto língua materna, 国語=kokugo,  tem-se o ideograma de país  acrescido do ideograma que serve para designar idioma 語. Já para a língua japonesa enquanto LE, 日本語=nihongo, tem-se os ideogramas 日本, que significa Japão acrescido do ideograma, designador de idioma.

quarta-feira, 1 de junho de 2016

RECOMENDO: Livro sobre a Imigração Japonesa no Maranhão

Pessoal, tudo bom?
Acabei de receber hoje uma mensagem de um colega, Siqueira Junior, que publicou um livro sobre a imigração japonesa e um artigo, frutos da pesquisa para a obtenção do título de Bacharel em Geografia (UFMA). Achei muito interessante e gostaria de compartilhar com todos vocês.


Abaixo reproduzo a mensagem (via e-mail) que recebi de Siqueira Junior. A postagem da mensagem, na íntegra, faço com a devida autorização de Siqueira Junior.

“Prezada profª. meª. Marley Francisca de Lima,

Meu nome é Etevaldo Alves de Siqueira Junior. No ano de 2014 defendi a minha monografia, intitulado O PROCESSO DE RETERRITORIALIZAÇÃO: IMIGRAÇÃO JAPONESA NO MARANHÃO. Que de certa forma é uma temática quase que inexplorável no estado no Maranhão, pois até o momento existem pouquíssimos trabalhos acadêmicos nessa temática. Muitos pesquisadores da área, Brasil afora, até desconheciam que o Maranhão teve uma Imigração Japonesa.

Pois bem, logo em seguida a minha defesa monográfica, comecei o projeto de um livro, que reuniria os principais resultados da minha monografia, mais um material inédito. Dando como exemplo um capítulo inteiro dedicado ao antiniponismo maranhense.

E o livro foi produzido, intitulado IMIGRAÇÃO JAPONESA NO MARANHÃO: UMA JORNADA DE 55 ANOS (ISBN 978-15-1190-957-0), que tem prefácio do Prof. Dr. Alfredo Kingo Oyama Homma (EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL).

Com certeza essa obra é uma boa contribuição para a área de estudos e pesquisas referente à Imigração Japonesa no Brasil e as suas vertentes. No dia 07 de outubro de 2015 fiz o lançamento do meu livro na 9° Feira do Livro (9° Felis) de São Luís. Foi até destaque no Twitter oficial da Prefeitura de São Luís.

https://twitter.com/PrefeituraSL/status/651857311456194560

O livro pode ser adquirido no link abaixo:

https://www.clubedeautores.com.br/book/187908--IMIGRACAO_JAPONESA_NO_MARANHAO

Também gostaria de salientar a informação de que a Revista Querubim (periódico/ISSN 1809-3264/Capes Qualis B3), vinculada a Universidade Federal Fluminense - UFF, aceitou para publicação o meu artigo intitulado MEMÓRIA, ESPAÇO E IDENTIDADE: A EXPERIÊNCIA DOS IMIGRANTES JAPONESES NO MARANHÃO.


O artigo se encontra no link abaixo:


Cordialmente,
Siqueira Junior - Graduado em Geografia Bacharelado (UFMA) e pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisa em Edafologia e Pedologia - GEPEPE (UFMA)”




Recomendo este trabalho e aproveito para parabenizar Siqueira Junior, pois é um grande feito ter um trabalho de bacharelado publicado. Siqueira Junior san, OMEDETOO GOZAIMASU!!! シケイラ・ジュニオルさん、おめでとうございます!!!

Obs.: Se alguém se interessar em manter contato com Siqueira Junior, este é o e-mail dele (publico este endereço de e-mail, também com  devida autorização do autor):  siqueira.junior@live.com. 

marley de lima
リマ・マルレイ